Caminhadas


Nos últimos anos, tenho adoptado um hábito na minha vida, que é caminhar ao ar livre. Quando estou mais ansiosa, a passar por algum momento mais complicado, ou simplesmente por passatempo, nada melhor, do que libertar energia, endorfina, aumentar o ritmo cardíaco, estar em contacto com a natureza e ouvir os sons à minha volta. 

No Inverno, é-me quase impossível ir durante a semana, saio do trabalho já a anoitecer, e não gosto de caminhar de noite, até porque ainda fica mais frio...Apesar de gostar, também, do horário de Inverno, não dá para aproveitar tanto o dia, chega a meio, e já quero o horário de Verão! Mas durante o fim de semana , tento tirar sempre uma horinha, acompanhada ou sozinha, mesmo quando acho que não me apetece, nunca me arrependo. 

E vocês, têm algum hábito ou algo que vos ajuda a lutar contra a ansiedade? Vou adorar saber.
Beijinhos*


A minha viagem a Malta


Vim partilhar com vocês, um pouco da minha viagem de 6 dias a Malta, algumas fotos, dicas e reflexões acerca do país. Estive nas três ilhas : Ilha de Malta, Gozo e Cominhos (Lagoa Azul) e vou fazer um brevíssimo resumo, dos dias em que lá estive, para quem tenha curiosidade em alguma vez visitar o país.

Nos primeiros dias, ficámos na Ilha de Malta, perto da capital Valetta. Nós viajámos sempre de autocarro, comprámos o passe de 20€ que permitiu utilizarmos toda a rede, das várias ilhas, durante uma semana. No final, irei falar mais sobre os autocarros e dar umas dicas que nos teriam feito poupar muito tempo na viagem.

Valeta é encantadora, senti-me em casa, naquela cidade, e lembrou-me um pouco de Lisboa. Eu fui em Setembro por isso, apanhei sol e calor, mas, também, dois dias de chuva.:/  (acho que é raro chover por lá em Setembro)




 1º Dia - Começamos o dia a passear por Valeta e tínhamos decidido ir conhecer, a seguir, as três cidades (Senglea, Vittoriosa, Cospicua), que são o berço da história Maltesa, mas era domingo, e parece que aos domingos os barcos estão parados, por isso, tivemos que alterar os nossos planos (enquanto tomávamos um granizado), e decidimos ir até Rabat, visitar As Catacumbas de São Paulo (que valeu super a pena), e a pé , fomos até Mdina, a belíssima "cidade silenciosa", que já não é assim tão silenciosa, mas como fomos num domingo a confusão de turistas não era muita. Já era final de tarde quando saímos de Mdina.




2º Dia - Foi um pouco fail este dia, porque se no primeiro dia não tivemos problemas com os autocarros, no segundo dia, já não foi bem assim. Mas hoje, ao relembrar-me deste dia, só me dá para rir, com a falta de sorte e as escolhas erradas que fizemos! Tínhamos decidido aproveitar parte do dia, na praia, e com tantas escolhas, decidimo-nos pela Gnejna Bay, que diziam ser bonita e com menos turistas, o problema é que demorámos horas e horas a lá chegar (e eram só 14km), e quando chegámos, não correspondeu bem às nossas expectativas, e pior! Passado pouco mais de uma hora, começou a chover e não havia grandes abrigos. Para sair daquela localidade foi outro filme...O autocarro não aparecia, mais duas horas à espera. Tínhamos decidido ir a St Peters Pool, da parte da tarde, mas o tempo estava impossível, fomos directamente para Valetta, almoçamos já tarde por lá, e seguimos para o hotel, para tomarmos banho e conseguirmos aproveitar o pôr do sol em Sliema e acabamos por jantar mesmo por lá. Sliema é uma cidade costeira mais turística, bem mais movimentada, ideal para ir jantar, beber um copo, e dar um passeio pelo paredão, se tívessemos ficado mais tempo na Ilha, tínhamos, com certeza, ido lá mais vezes!

Esta era a parte mais bonita da praia.

 A passear pelo paredão de Sliema.

3º Dia - O dia amanheceu de novo com chuva... Mas nada, nem ninguém nos ia parar, de manhã aproveitámos para ir à Co-Catedral de São João, em Valetta, de fora não é nada de especial, mas dentro é deslumbrante, chegámos lá, ainda estava fechado, por isso não ficamos muito tempo na fila. De seguida, fomos apanhar o barco para conhecer as Três Cidades, mas como começou a chover, aproveitámos para entrar numa comboio turístico, com um guia, que circulou pelas cidades, por fim, deixou de chover, e acabámos por fazer uma visita rápida, à aldeia piscatória de Marsaxlokk.

No barco, a caminho das 3 cidades.

Algures por Cospicua.

Marsaxlokk

4º Dia - Acordámos bem cedo, que tínhamos a viagem para fazer até à Ilha de Gozo, o nosso alojamento ficava em Nadur, uma vila rural muito fofa, a parte central tinha uma igreja e umas esplanadas com cafés e restaurantes. E agora falando em segurança, tirando o primeiro dia em que chegamos, o sol já se tinha posto, e Malta tendo pouca iluminação, pouca gente na rua, tendo muitas casas abandonadas e por construir, o cenário pode ser um pouco assustador, mas quando amanheceu e saímos do hotel, já não tive qualquer receio, já em Nadur (Gozo), senti-me como se tivesse numa aldeia em Portugal, e nas minhas interacções com os Malteses não senti, também, que estivesse perante um povo muito diferente do nosso.
Fizemos o check in, e fomos conhecer Ta Pinu, que é só, das igrejas mais bonitas (exteriormente) que eu alguma vez vi, e seguimos para Dwejra bay, e no final do dia ainda conseguimos passar por Xlendi, tive muitaaa pena de não ter tido mais tempo, para explorar essa zona, já chegámos no final da tarde, e gostava de ter ficado por lá a jantar, mas estávamos mesmo a precisar de um banho.

Ta Pinu.

Dwejra bay

Dwejra bay

Xlendi

Xlendi

5º Dia - Foi um dos melhores dias, o tempo estava excelente, aproveitamos para explorar as Salinas de Marsalforn e continuamos numa grande caminhada até ao nosso destino final, o Desfiladeiro Wied il-Ghasri.
Demorámos a lá chegar, mas tornaria a repetir. Aviso que, pelo menos, no dia em que nós fomos, estava cheio de alforrecas, então, não pudemos nadar, mas valeu super a pena, o sacrifício de chegar até lá, só para termos o privilégio de apreciar a beleza do local.
Acabámos depois por aproveitar a tarde, numa praia, a Ramla Bay, não sei se tivemos pouca sorte com as praias, mas as que eu visitei não achei nada de especial, comparando com as nossas praias portuguesas, tirando a temperatura da água, que era excelente.
À noite, fomos jantar a Victoria (a cidade principal da ilha). E por falar em jantar...Não achei os preços caros, todos os nossos almoços e jantares ficaram menos de 15€ por pessoa (mesmo à beira mar ou no centro da cidade), com um prato principal sempre muito bem servido, e um copo de vinho, sempre cheio também. Em relação à cozinha Maltesa, é muito influenciada pela cozinha italiana e uma das especialidades deles é o coelho estufado.







6º Dia - No ultimo dia, fomos à tão esperada e famosa Lagoa Azul, o nosso barco ainda passou pela Lagoa de Cristal e ficamos por lá, uma meia hora, foi aí que pela primeira vez, fiz verdadeiramente snorkeling e foi algo de mágico, os corais, os peixinhos coloridos, amei! Depois subimos ao barco, e ele deixou-nos na Lagoa Azul. Agora... Aquilo é verdadeiramente deslumbrante, a água maravilhosa, mas a parte terra mais parecia a feira popular :/ Muitas barraquinhas de comida, de venda, musica alta, as pessoas em cima umas das outras, por isso quem quiser visitar, sugiro que vá bem cedo para conseguir um bom lugar, ou que vá num barco. Nós ficamos, basicamente o tempo todo na água, a explorar e aproveitar, o que melhor a lagoa tinha para oferecer. No final do passeio, fomos a correr de autocarro em autocarro, a ver se conseguíamos chegar ao "viewpoint" da Vila do Popeye, antes do pôr do sol, e conseguimos.  A vista é espectacular, a vila amorosa, parecia que estava dentro de um anime. Acabámos por jantar na vila, do nosso Bed&Breakfast.

.Passado 5 minutos...estava eu a descer naquele escorrega também =D

Não me lembrei de tirar fotos à parte das barraquinhas e confusão...

Mas a lagoa é deslumbrante.

Vila do Popeye


Em relação aos autocarros, tive várias aventuras não muito agradáveis, desde ficar horas à espera, autocarros que não cumpriam horários, e que por algum motivo, que não conseguimos perceber, pulavam certas paragens. Mas os autocarros em si, são excelentes, sempre com ar condicionado, por isso, depois de 1h30 à espera, debaixo de um sol escaldante, quando sentíamos o ar condicionado, quase que nos esquecíamos de tudo o que tínhamos passado. Tendo isto tudo em conta, voltaria a utilizar os autocarros, mas deixo algumas sugestões:

-SEMPRE que entrarem num perguntem ao motorista, se pára na paragem que vocês querem, mesmo que vocês tenham a certeza... Foram várias as vezes que, a meio da noite, tivemos que abandonar o nosso bus, em localidades completamente desconhecidas, porque o bus tinha pulado a nossa paragem. A partir do momento que começamos a perguntar, isto já não aconteceu mais.
- O país é pequeno, e as distancias são curtas, mas de autocarro, tudo é uma eternidade, se tiverem alojados em Valeta fica mais fácil, mas irão ter que trocar de autocarro para chegarem em alguns destinos...e é aí que começa o problema, porque há muitos autocarros que não cumprem horários, ora chegam adiantados ora atrasados (e bem atrasados). Eu aconselharia, a não se aventurarem para muito longe, porque poderão perder horas da vossa viagem, se fosse hoje, teria, por exemplo, escolhido uma praia que tivesse uma ligação mais directa de autocarro e que não fosse preciso trocar para lá chegar.

Eu saí de Malta a querer saber mais do país, e da sua história, nota-se que é um país muito católico, é uma igreja em cada canto, mas ao mesmo tempo, senti algumas influências árabes na construção do país. Ah! Uma curiosidade, o país inteiro é bege... Praticamente 95% dos edifícios (novos e antigos) de Malta, são em tons de bege, imagino que pintar uma casa de branco por lá, seja um autêntico acto de rebeldia e com direito a multa!
O único ponto negativo da viagem, alem das peripécias com os autocarros, foi o notar a falta de limpeza de grande parte da Ilha principal, a primeira vez que saímos do hotel, tivemos MUITA dificuldade em encontrar um caixote de lixo...Não é como cá, que há um em cada esquina, logo, o que acontece é que encontramos muito lixo nas ruas e até nas praias :/ Tenham em conta que Malta começou a ser mais visitado, recentemente, depois de Game of Thrones (já que várias cenas foram filmadas lá), e por isso, está ainda a desenvolver-se no que toca a turismo. Praticamente toda a gente fala inglês, tem muita história, paisagens deslumbrantes, e dá para aproveitar, também, as praias e lagoas, não é um pais caro para se viajar, nem muito longe de Portugal, voltava lá, sem dúvida, sinto e sei que ficou muito por ver, aconselho muito! :)

Opinião | Base Double Wear Light Soft Matt Hydra Estee Lauder

Durante vários anos, a minha base favorita para o dia a dia, foi a Double Wear Light da Estee Lauder que, infelizmente, foi retirada do mercado, reformulada, e apenas acrescentaram ao nome "Soft Matt Hydra".
As primeiras reacções das pessoas que, tinham a base antiga como favorita, não foram muito positivas, afirmavam de que se tratava de uma base completamente diferente da anterior e que estavam desiludidas, que o efeito da base já não era tão natural, era demasiado mate e tinha uma cobertura pesada. Influenciada por estas opiniões, decidi não investir logo nesta nova base e comecei à procura de uma nova, depois de várias frustrações, acabei por experimentar.


E basicamente este é o típico caso de que, o que não funciona para algumas pessoas, não quer dizer que não funcione para todas.

O que esta Base promete:
- Uma longa duração , 24h de utilização confortável e sem secar a pele
- Um suave acabamento mate
- Uma cobertura ligeira a média
- Atenuar os poros e imperfeições
- Resistente ao suor, à agua, à humidade
- Oil-free, não acnegénica, e não entopindo os poros
- Controlar a oleosidade, e o ácido hialurónico assegura a hidratação da pele

A minha opinião

 Posso dizer que gostei desta base, tanto que já vou na segunda embalagem desta nova formulação.
Não concordo com muitas meninas, que dizem que esta tornou-se numa base de cobertura alta, continuo a achar que tem uma cobertura leve a média, dura o dia todo, apesar que nunca experimentei ficar com a base durante 24h... Parece-me ser resistente à agua e humidade, deixa uma sensação agradável ao longo do dia e não transfere. Uma das coisas que mais gosto nas bases da Estee Lauder é que controlam muito bem a oleosidade da pele, e não me provocam espinhas, o que para mim é motivo logo de troca de base.
O único "defeito" que noto nela, é o acabamento. A antiga formulação tinha um acabamento super bonito, não era totalmente mate, tinha uma leve luminosidade, e um acabamento meio aveludado, que disfarçava terrivelmente bem os poros. Nesta nova formulação isso já não acontece, o acabamento é basicamente mate, o que não é mau mas preferia o antigo. Até porque a única diferença que reparo entre esta nova base e a famosa Double Wear (a normal) é mesmo a cobertura.
Acho que vou acabar por adoptar esta base, como minha favorita, até porque sinceramente, não tenho muita vontade de andar sempre a experimentar bases novas.

Já experimentaram esta base? Qual a vossa base de eleição?
Beijinhos*





Como Faço as Minhas Metas


Olá a todos!
Quem por aí costuma fazer metas ou resoluções de ano novo?  Há poucos anos, comecei a levar a sério as minhas metas, antes disso, só pensava nas resoluções na noite de passagem de ano (e eram mais desejos do que propriamente resoluções), e passado pouco tempo, acabava por me esquecer.

Primeiro de tudo, quero dizer que não é essencial criar as nossas metas no final ou inicio de um ano novo. Podem decidir começar a criar uma meta sempre que quiserem, ou até alterarem se já não fizer sentido, este exercício não é para nos trazer ansiedade, é para servir de orientação e motivação.




Eu costumo apontar as minhas metas, que quero alcançar durante o ano, num papel-rascunho antes de passá-las (no meu caso) para o Bullet Journal, assim fica logo tudo organizado e bonitinho! Eu divido elas por Metas de Longo Prazo e Metas de Curto Prazo.

As Metas de Curto Prazo são objectivos/desejos mais simples e acessíveis, que por uma razão ou outra, acabamos por adiar. Exemplos: Tirar algum tipo de Workshop, começar no ginásio, visitar/conhecer algum lugar específico, reencontrar um amigo antigo ou ter alguma experiência diferente.

As Metas de Longo Prazo, são metas que precisam de alguma ponderação e organização para concretizá-las. Exemplos: Terminar de remodelar a casa, abrir o meu próprio negócio, desenvolver algum projecto ou ter um estilo de vida mais saudável.

Devemos, em cada uma dessas metas, estipular os passos que vamos dar para alcançar esses fins, e é também interessante, estipularmos o mês que queremos ter cada passo cumprido.
É importante que as metas estejam num local que não dê para ignorá-las.
No meu caso, tenho todas as metas no meu Bullet Journal, que utilizo como agenda, para poder estar sempre a olhar e a lembrar-me de todas e dos passos que preciso de dar para atingi-las.
O objectivo é ter as metas cumpridas até ao final do ano, provavelmente, teremos mais dificuldades em cumprir, totalmente, as de Longo Prazo, mas não faz mal! Isto não é uma corrida, e se seguirmos alguns dos passos, no final do ano estaremos mais próximos de concretizá-las do que estávamos no inicio. E como sabe bem, ir assinalando as metas cumpridas, e ver que cumprimos o que nos propusemos a fazer!

Costumam fazer metas de ano novo? 
Bjs*






O meu Bullet Journal

Este vai ser o segundo ano que optei por fazer um Bullet Journal, em vez de comprar a habitual agenda.
Um Bullet Journal é, basicamente, um método de organização, uma agenda mais personalizada, já que somos nós próprios que construímos o nosso Journal.
Comprar uma agenda, é sem duvida mais conveniente, ela já está feita, pronta a utilizar, o Bullet Journal dá um pouco mais de trabalho, mas acaba por ser mais prático na minha opinião.
Eu, como uma boa Virginiana, gosto de ter tudo organizado e há certas coisas que eu gosto de apontar no inicio e durante o ano, e para mim, faz todo o sentido que esteja tudo concentrado, num mesmo caderno, em vez de ter uma agenda e vários blocos ou papeis, espalhados pela casa, porque, normalmente, sinto que faltam muitas folhas "livres" numa agenda.
O meu Bullet Journal é super simples, não tive ainda muito tempo para decorá-lo, como muitas meninas fazem, há exemplos incríveis pela net, e é difícil estar totalmente completo. As próximas fotos foram tiradas mesmo no inicio do ano, e em fase inicial de desenvolvimento, mas dá para ter uma ideia de como eu gosto de organizá-lo. ( Não reparem na mistura estranha de palavras em português e inglês, só quando estava a fazer este post é que reparei ... lol)

Calendário - Dá sempre jeito ter um à mão, pensei em imprimir um e colar na pagina, mas como de momento estou sem impressora, tive mesmo que fazê-lo à mão.

Future Log - Nestas páginas eu vou assinalando datas que considero importantes, como aniversários, férias, consultas, reuniões etc, para ser mais fácil organizar o mês.

Goals - Este ano decidi dedicar umas páginas às minhas metas, acho que é importante tê-las sempre ali, para ir sempre reflectindo no que estou a fazer para alcança-las. Mais tarde vou fazer um post sobre como faço as minhas metas de Ano novo.;)
Wishlist - Esta página eu  utilizo para discriminar as coisas que, realmente, preciso/quero comprar, noto que consigo ter mais controlo em não comprar coisas desnecessárias e concentrar-me naquilo que é mais prioritário.
Money tracker- Esta é uma pagina que criei este ano. No ano passado, senti falta de um registo que pudesse comparar as minhas despesas mensais. Quando e onde eu gastei mais durante o ano.
Places I Want to Go - Esta página é dedicada a sítios que eu gostaria de visitar, quando vejo na televisão, pela net, um lugar, eu aponto logo aqui e assinalo os que consegui visitar.
Notas - Estas paginas são dedicadas a informações importantes, como contactos, procedimentos passados, que irei provavelmente precisar futuramente e estarão aqui concentrados.
Lista de despesas Mensal - Todos os meses, começo com esta pagina, onde aponto todas as minhas despesas e faço contas do que poupei e do que terei de gastar no próximo mês.
 
Notas/Ementa - Estas páginas encontram-se sempre antes de cada semana, serve para apontar o que eu preciso de tratar ou realizar nessa semana, registo de hábitos que quero adquirir , alguns passos paras as minhas metas, e as refeições que pretendo fazer nessa semana, para ter tudo organizado.
Por fim, tenho o registo semanal, que utilizo como numa agenda normal.


Como puderam ver, é super simples , longe de ser criativo, inspirei-me, também, em outros Bullet Journals mas, para mim, o que interessa é a organização e motivação que ele me traz ao longo do ano.

Já fizerem algum Bullet Journal Eu sei que algumas, sim;) O que acham da ideia?
Beijinhos*